Resumo do que foi dito por: Sérgio Frias, Eduardo Cassiano, Roberto Monteiro, Luis Fernandes e Julio Brant na reunião do CD

Expresso 1898 @expresso_1898
Sérgio Frias discursa neste momento.

Carlos Fonseca nega questão de ordem para suspender a reunião. Ele esclarece que a sessão trata da adequação do Estatuto e não se refere à 777.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE



Conselheiro Eduardo Cassiano se diz a favor da SAF, mas pondera:

“Veja bem, nobre presidente, estamos tratando um de assunto delicado, que deve ser abordado de forma ampla”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE



Eduardo Cassiano cita exemplo do Cruzeiro e pede que conselheiros do Vasco tenham acesso ao contrato na íntegra.

Carlos Fonseca diz que sua vontade é que haja a maior transparência e lembra que há uma comissão formada de maneira democrática, com membros da minoria, dos beneméritos e também da maioria, que terão acesso ao teor integral do contrato.

Comissão será formada com 15 membros, dos mais diferentes espectros políticos, liderada por Roberto Duque Estrada.

Sérgio Frias pede a palavra novamente e Carlos Fonseca brinca: “Hoje ele quer dominar o debate”.

Carlos Fonseca, para Sérgio Frias: “Conselheiro, o assunto encerrou”.

Roberto Monteiro: “Nós estamos votando algo hoje que foi enviado com cinco dias de antecedência, tolhendo o Conselho do debate sadio”.

Roberto Monteiro pede que debate seja ampliado, com mais tempo para se discutir as mudanças.

Roberto Monteiro diz que debate está sendo atropelado, ferindo os princípios democráticos do Club de Regatas Vasco da Gama.

Carlos Fonseca responde Roberto Monteiro:

“Questão de ordem é prerrogativa do presidente do Conselho e eu já vou começar indeferindo”.

Carlos Fonseca explica que, se algum conselheiro entender que o processo está sendo atropelado, pode manifestar voto contrário.

Simão Argolo sugere que, se algum conselheiro ainda estiver em dúvida do que está sendo votado, que peça a palavra e manifeste a sua dúvida.

Ele conclui: “Vamos em frente porque o Vasco tem pressa”.

Luis Manuel Fernandes sugere que a empresa que for operar a votação remota, no formato híbrido, tenha certificado por duas instituições que prestam serviço à Justiça Eleitoral, dando mais segurança ao processo.

Julio Brant garante que a comissão dos 15 membros que examinam a SAF está funcionando bem e que, caso não funcionasse, ele seria o primeiro a apontar.

Roberto Monteiro: “Eu me oponho frontalmente à proposta que está sendo apresentada”.

Fonte: Twitter Expresso 1898