Guerra na Europa pode gerar efeitos na SAF do Vasco; confira



A Europa vive um período de grande tensão política e militar por causa da invasão da Rússia na Ucrânia. Em termos esportivos, os russos estão sendo banidos de competições internacionais e atletas estrangeiros que estavam no território ucraniano tiveram que deixar o país.

VASCO: ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE



O surgimento de conflitos no continente europeu tornam a região menos interessante a receber investimentos. O russo Roman Abramovich, dono do Chelsea, desde 2003, anunciou que irá vender o clube, sendo este um reflexo direto do conflito bélico no leste da Europa.

Dessa forma, enquanto clubes brasileiros se estruturam para a criação de empresas a serem negociadas com investidores, o Brasil se torna um lugar mais interessante para a aplicação de capital estrangeiro. O Vasco da Gama, por exemplo, já possui um acordo bem encaminhado com a empresa 777 Partners para a venda de 70% da sua futura SAF.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE


Europa é local de risco

A 777 Partners já possui investimentos na Europa, sendo a equipe do Genoa, da Itália, um deles. O time, entretanto, não apresenta bons resultados esportivos dentro do gramado. Para os investidores, por sua vez, o projeto seque a pleno vapor e agora será ampliado ao Brasil, sendo a valorização do Gigante da Colina um fator essencial para o sucesso da empresa.

Por isso, enquanto houver tensão no continente europeu, a região se torna de alto risco para o recebimento de investimentos financeiros no campo esportivo. O Vasco da Gama, dentro dessa conjuntura, sai na frente por já estar se estruturando no formato SAF e poder receber estabelecer parcerias que outrora não seriam possíveis.

Com uma receita maior, o Cruzmaltino pode investir na contratação de novos jogadores que se mostram receosos em retornar à Europa. Diversos atletas brasileiras deixaram a Ucrânia às pressas e não tem o desejo de voltar a jogar por lá no curto prazo. O país, que antes era polo de atração de jovens jogadores nacionais, hoje vive outas preocupações mais urgentes do que a contratação de jogadores do Brasil.